PARTA À DESCOBERTA . O SOPRO DAS GRANDES EXPEDIÇÕES . FAUNA E FLORA


O SOPRO DAS GRANDES EXPEDIÇÕES AMAZÔNICAS.
Desde a longínqua época dos conquistadores espanhóis, que partiram em busca do Eldorado e seus fabulosos tesouros e relataram seus encontros com as legendárias "amazonas", os mistérios e as belezas da floresta amazônica fascinam viajantes, exploradores, cientistas, escritores... à busca de aventura e descoberta.

 

 

No fim do século 19, um médico francês, Jules Crevaux, lança-se num périplo de 12.000 km, a pé e de canoa, em companhia de guias índios: seus relatos emocionados, publicados na revista " A Volta ao Mundo" inspiraram vários romances a Júlio Verne e a Hergé o personagem do explorador no seu "O ídolo roubado".
Mais próximo de nós, a expedição de Georg Heinrich von Langsdorff iniciada em 1826 foi sem dúvida uma das mais notáveis: imagine uma viagem em bote (nada comparável com o conforto e os equipamentos do Amazon Dream) ao longo de mais de 6000 km., de São Paulo a Santarém ao longo dos rios Tiete, Pardo, Arinos e Tapajós.

 

 

Os pintores franceses Adrien Taunay e Hercule Florence que o acompanhavam realizaram um impressionante trabalho de documentação: suas aquarelas e desenhos testemunham fielmente a vida dos caboclos e dos índios naquela época. Ilustram, também, magnificamente toda a diversidade da fauna e da flora amazonense..

Santarem 1826  


É a sua vez de adentrar-se sob as altas copas, observar o vôo dos pássaros e os jacarés adormecidos, de surpreender os macacos ruidosos, de mergulhar próximo dos botos nas águas transparentes do Tapajós, de caminhar ao logo das praias deliciosamente insólitas, de descobrir as festas e as tradições do " povo das águas", o tempo de uma travessia excepcional que mistura arte de viver e emoção real.

 

2005© A “Compagnie Amazonienne de Navigation” · Realização Click-On